Festas da Cidade e Gualterianas
Festivais Gil Vicente
Westway LAB
Festas da Cidade e Gualterianas
Festivais Gil Vicente
Westway LAB
Festas da Cidade e Gualterianas
Festivais Gil Vicente
Westway LAB
menu logo
menu logo
menu logo
menu logo
menu logo
menu logo
main logo
site atual logo
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Voltar

CIAJG
Piso -1

Maiores de 6

Dança

público geral e famílias
sábado 15 e 29 fevereiro, 16h00

escolas / 1º ano
13 e 14, 17 a 21, 27 e 28 fevereiro
2 a 6 março
10h30 + 15h00


Autoria

Fernanda Fragateiro


Colaboração

Filipe Meireles


Coreografia

Aldara Bizarro


Coprodução (2005) Teatro Viriato, A Oficina, Teatro Aveirense, Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, Teatro Municipal da Guarda e Centro Cultural de Belém

_
Duração 1h15 min

Sessões para Escolas / 1º Ano

Preço 2,00 eur

Inscrições por e-mail mediacaocultural@aoficina.pt ou por telfone 253 424 700

Público Geral
Preço 2,00 eur

Comprar

O que faz uma caixa em madeira com quatro metros de comprimento e três de altura no meio do CIAJG? É a Caixa para Guardar o Vazio, da artista plástica Fernanda Fragateiro, que regressa a Guimarães 13 anos depois.

Image
CIAJG

/

Piso -1

Maiores de 6

Dança

13 FEVEREIRO A 6 MARÇO

escolas / 1º ano
13 e 14, 17 a 21, 27 e 28 fevereiro
2 a 6 março
10h30 + 15h00


Caixa para Guardar o Vazio
Fernanda Fragateiro e Aldara Bizarro

O que faz uma caixa em madeira com quatro metros de comprimento e três de altura no meio do CIAJG? É a Caixa para Guardar o Vazio, da artista plástica Fernanda Fragateiro, que regressa a Guimarães 13 anos depois.

Composta por madeira, espelho, aço, e um tapete de algodão negro, Caixa para Guardar o Vazio é uma escultura, mas também um lugar para explorar com o corpo e com todos os sentidos, num processo de descoberta individual ou coletivo. De entre as múltiplas abordagens que suscita, a escultura relaciona-se também com matérias curriculares como a geometria, os conceitos de escala e volume, e as propriedades da matéria. A caixa é ativada pelos corpos de dois bailarinos, que dialogam entre si e com o público, através do movimento e da voz, num atelier performativo especialmente pensado para as crianças, proporcionando-lhes um papel ativo e criador.